16 de novembro de 2014

O "pai" do meu filho.

Conheci o "pai" do meu filho pela Internet,mais precisamente pelo Facebook no dia 02 de julho de 2013.Logo em seguida passamos a namorar.Ele tinha 18 anos e eu 28.Nós nunca tivemos uma briga de verdade,só pequenas discussões da parte dele,mais por birra mesmo,pois ele é muito novo e mimado pela mãe.
Um dia antes do aniversário dele,eu me senti muito estranha.Mal podia olhar no rosto e muito menos ouvir a sua voz.Naquela noite não houve "nada" entre a gente.
No outro dia eu ainda continuava diferente,parecia que tudo o que eu sentia por ele havia sumido...Foi então que decidi que não dava mais para a gente continuar juntos..Eu estava trabalhando e mesmo assim me arrisquei e fiquei com o celular o tempo todo na mão,pensando no que enviar.Pedi opinião para a minha mãe.Ela trabalhava junto comigo.Ela disse que não era para eu tomar decisões precipitadas.Mas não ouvi os seus conselhos...Foi então que escrevi uma mensagem terminando o namoro.Sei que fiz errado,mas eu sou impulsiva demais e quando ponho uma coisa na cabeça,não costumo voltar atrás!
Ele me mandou vários sms's de volta pedindo para que eu não o deixasse.Só que eu já tinha decidido.
Terminamos no dia 13 de agosto de 2013.No dia do seu aniversário de 19 anos.
Justamente nesse dia eu iria levar ele na casa do meu pai e da minha vó,para ele conhecer o resto da minha família.Maaaas o destino quis que fosse diferente.
Passaram-se alguns dias e tive que sair do serviço por problemas de saúde.
Após algumas semanas a minha menstruação não tinha descido.Fiquei preocupada.Ela sempre foi regular.
Deixei passar 9 dias e resolvi comprar um teste de farmácia.Não deu outra!Estava grávida!!Contei para a minha mãe e depois para ele.E sabem o que ele me disse??Que era para eu abortar!!Sim!!Quando eu ouvi isso fiquei em choque!Fiz um esforço para entender o lado dele,pois ele não estava trabalhando!Mas é claro que isso não justifica de maneira alguma tal absurdo que ele falou!
Resumindo a história:Passei a gravidez toda sem ele por perto (pelo menos para me dar um apoio,pois eu não queria me relacionar com ninguém).
Tive algumas complicações e nunca obtive uma preocupação da parte dele e nem da sua famíla.Parecia que pra eles não estava acontecendo nada.
Hoje o meu filho está com 7 meses e o "pai" nunca veio o visitar.Nunca deu 1 centavo para ajudar com os gastos.Algumas(poucas) vezes ele perguntava como que o Jon estava e ainda por cima dizia que o amava.Como assim??Amava?!Como pode ele dizer isso sem ao menos nunca ter visto "ao vivo e a cores" o próprio filho?!Sem nunca ter tocado,abraçado,beijado?!Sem nunca ter pegado ao colo?!Nem ter sentido o cheirinho do cabelinho após o banho?!Sem nunca ter cantado uma canção antes de dormir?!...
Só Deus sabe o quanto me dói ver que meu filho está crescendo sem ter o pai ao seu lado.
Fiz um pedido de investigação de paternidade (dna) a pedido da mãe dele.Pois eu não iria mentir a respeito disso,tanto que eles sabem muito bem que o Jonathan é a cara dele!Eles viram o guri só por fotos!Vê se pode?!
Eu ainda estou muito indecisa sobre ele reconhecer o filho.Não queria que o Jon tivesse contato com pessoas que o rejeitaram desde a barriga!Ter um "pai" que só se preocupa em jogar vídeo-game o dia todo e não tem vontade nenhuma para arrumar um emprego para sustentar um filho,tô fora!!
Criei o Jon até agora sozinha mas com a ajuda indispensável da minha mãe e da minha vó.Só nós 3!
Peço que Deus me ajude a tomar a decisão certa para a vida do meu bebê.
Aqui em casa amor e carinho nunca irão faltar para ele.

"Pai não é somente aquele que põe o filho no mundo,pai é aquele que educa,que transmite a segurança da figura paterna,que faz o carinho e que corrige os erros para que não se tornem vícios."




Ps:Só contei a minha história pois teve alguns leitores do blog que pediram para eu falar sobre a participação do pai na vida do baby Jon.
E também quis desabafar um pouco.